terça-feira, 17 de agosto de 2010

Lorca e a Poesia



“Mas o que vou dizer da Poesia? O que vou dizer destas nuvens, deste céu? Olhar, olhá-las, olhá-lo, e nada mais. Compreenderás que um poeta não pode dizer nada da Poesia. Isso fica para críticos e professores. Mas nem tu, nem eu, nem poeta algum sabemos o que é a Poesia.

Aqui está; olha. Tenho fogo em minhas mãos. Eu o entendo e trabalho com ele perfeitamente, mas não posso falar dele sem literatura. Compreendo todas as poéticas; poderia falar delas se não mudasse de opinião a cada cinco minutos. Não sei. Pode ser que algum dia eu goste muito da má poesia, como gosto (gostamos) hoje, com loucura, da música má. Queimarei o Partenão durante a noite, para começar a erguê-lo pela manhã e não terminá-lo nunca.

Em minhas conferências tenho falado às vezes da Poesia, mas a única coisa de que não posso falar é da minha poesia. E não porque seja um inconsciente do que faço. Ao contrário, se é verdade que sou poeta pela graça de Deus – ou do demônio – também é verdade que o sou pela graça da técnica e do esforço, e da minha percepção absoluta do que é um poema”.

(extraído da revista Discutindo Literatura, ano 2, nº 12)


Um poema de Lorca:


Madrigal á cibdá de Santiago



Chove en Santiago
meu doce amor.
Camelia branca do ar
brila entebrecida ô sol.

Chove en Santiago
na noite escrura.
Herbas de prata e de sono
cobren a valeira lúa.

Olla a choiva pola rúa,
laio de pedra e cristal.
Olla o vento esvaído
soma e cinza do teu mar.

Soma e cinza do teu mar
Santiago, lonxe do sol.
Agoa da mañán anterga
trema no meu corazón.

(do livro Seis Poemas Galegos)


Para quem desconhece:

Lorca foi executado em Víznar em 19 de agosto de 1936, vítima do regime totalitário de direita do General Franco. Foi acusado por um deputado da direita católica de ser “mais perigoso com a caneta do que outros com o revólver”. Tinha ideias socialistas e era homossexual. Foi dramaturgo e poeta, considerado como um dos maiores do seu tempo. Escreveu Romancero Gitano, Bodas de Sangue, Yerma, A Casa de Bernanda Alba, entre outras obras. Nasceu a 5 de junho de 1898 em Fuente Vaqueros.

18 comentários:

  1. Vc demorou a postar...mas veio com a sensibilidade à flor da pele...
    Terminar um fim de tarde com esse texto e poesia foi muito bom!
    Abçs!

    ResponderExcluir
  2. Franck, nunca confie num louco. Este blog não tem nenhuma pretensão a não ser confundir o leitor. Escrevo como um rádio sem sintonia e como um som desarmônico. Só fico chateado em não ter mais comentado em seu blog, apesar de visitá-lo sempre (mudou de nome, não terá mais chiclete por lá). E fico feliz que tenha gostado do poema, ótimo gosto! Obrigado pelo carinho de sempre!

    Abraços!

    ResponderExcluir
  3. Belo poema! Meu primeiro contato com a exacerbação e exuberância lorqueana, foi lendo a complexa e profunda Yerma. Abraço!

    ResponderExcluir
  4. Obrigada pelo comentário! Gosto demais dessa música tb.. de todas.
    Seu blog parece ser bem interessante, deixarei para lê-lo em um dia mais tranquilo. :)
    Até mais.

    ResponderExcluir
  5. Dulce, obrigado pela visita. Realmente Lorca é um grande escritor. É impossível não admirá-lo e penetrar na poesia dele. Mais uma vez agradeço.

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  6. Juliana, seja bem-vinda as letras desarmônicas. É um prazer sua presença aqui. Pelo seu perfil percebe-se o potencial do seu blog, aliás, o nome dele é extremamente interessante. Muito criativo. E espero que goste da dissonância deste espaço. Obrigado pelo carinho.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  7. Post maravilhoso por completo.
    Aguçou ainda mais minha sede...

    ResponderExcluir
  8. Obrigada! Não costumo escrever como vc, não sou muito boa para poetar, mas gostei do que vc escreve.. comigo, o que funciona melhor são textos aleatórios, é só pra isso que serve o meu blog.. para momentos de desabafo.
    Quanto ao título, é aberto a N interpretações. Pra mim, são pelo menos duas. :)

    ResponderExcluir
  9. Juliana, agradeço mais uma vez o carinho. Seu blog é interessante justamente por revelar aquilo que você sente. Enquanto ao título dele, já tenho minha interpretação.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  10. Adorei seu blog. Belíssimo poema. Confesso que não conhecia Lorca, mas já despertou meu interesse!

    ResponderExcluir
  11. Marina, seja bem-vinda a poética dissonante. Fique a vontade para gostar e desgostar desse espaço, afinal ele não tem harmonia alguma. Fico contente que tenha apreciado o poema acima e o seu autor. Obrigado pela visita.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  12. Adoro poemas. Quem quiser dicas de livros e gosta de Percy Jackson, entre em meu blog: http://queroleragora.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  13. Gosto muito de Lorca.
    Jà fizemos um Sarau homenageando este poeta da língua espanhola.

    Boa escolha.

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  14. Tatiane, obrigado pela visita. Realmente vale a pena conferir mais sobre esse poeta, sobretudo, seus poemas. Tenho certeza que irá gostar.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  15. Richard, realmente Lorca é um excelente poeta. E um sarau em homenagem a ele é uma ótima opção. Principalmente, porque não irá faltar assunto e nem prazer. Obrigado por comentar.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  16. Alex,

    Estou amando Lorca (cheguei atrasada na postagem, rsrs):

    http://nos-todos-lemos.blogspot.com/2010/09/federico-garcia-lorca-obra-poetica_06.html

    Beijos,

    ResponderExcluir
  17. Lígia, também estou apreciando cada vez mais este poeta. Tenho em mãos agora “Bodas de Sangue”. E fique a vontade para comentar em postagens mais antigas, pois será um prazer receber seus comentários.

    Abraços.

    ResponderExcluir