quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Poema - Se eu permitisse que o amor escorresse da minha alma?

[Quatro Girassóis Cortados (1887) - Van Gogh]


Se eu permitisse que o amor escorresse da minha alma?


E se eu permitisse que o amor escorresse da minha alma
O que restaria de mim
Desta matéria da qual sou composto
Carne e osso?

Poderia algum dia juntar-me aos homens
Compartilhar do mesmo alimento
Sentar-me a mesa da Santa Ceia
Sem, contudo ficar constrangido?

E quando beijar-lhe a face
Não seria o beijo de um traidor?


Mas o amor não está suspenso dos homens?
Não é senão coisa abstrata, mentira escarrada?


Tenho aprendido com os homens
A não fazer guerras e nem religião

Tenho aprendido a viver pouco

Tenho aprendido a ter piedade e compaixão
Para não construir bombas nucleares
E varrer a Terra de vez


É preciso se desesperar com os homens
E indagar ao final da madrugada
No amplo silêncio do infinito
Sobre se eu permitisse
Que o amor escorresse da minha alma?


Alex Zigar

17 comentários:

  1. Lindo poema! Ah, to sentindo falta dos seus comentários no meu blog... Hehe... Abs!

    ResponderExcluir
  2. Não, não podemos permitir apesar da linha tênue que separa amor e ódio. Obrigado pela participação, Franck.

    Um forte abraço.

    ResponderExcluir
  3. Obrigado pelo elogio, Guto. E sempre estou visitando seu blog e quando posso comento com muito prazer. Mais uma vez agradeço o elogio.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Vanessa, seja bem-vinda a Letra Destoante. Obrigado pelo comentário oportuno. É um prazer receber alguém tão inteligente por aqui. Em relação a sua pergunta a resposta é sim. O amor escorre da alma dos homens a todo o momento, a toda hora e essa falta resulta no ódio e na violência. Mais uma vez obrigado.

    Forte abraço.

    ResponderExcluir
  5. lindo quadro!
    desculpa por nao comentar nada aqui com frequencia, ando na maior correria.
    se vc tiver orkut, me passa seu link, coloquei varias fotos e videos do show do lacrimosa em meu orkut.

    ResponderExcluir
  6. gostei demais da ultima estrofe.
    é desesperador só de imaginar a imagem hehe

    ResponderExcluir
  7. Gostei muito da ideia de "amor" que o texto carrega. Diferente. Muito boa sua poesia.

    ResponderExcluir
  8. Lúcia, seja bem-vinda as Letras Desarmônicas. Obrigado pelo gentil comentário. E fique a vontade por aqui.

    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  9. Gostei de tudo.
    Do começo ao fim ...

    Que escorra !


    Bjo.

    ResponderExcluir
  10. Amigo, passei para acompanhar os poemas e novidades e dizer que sinto saudades.
    beijos

    ResponderExcluir
  11. Malu, obrigado pelo carinho. Seja bem-vinda as letras destoantes.

    Um forte abraço.

    ResponderExcluir
  12. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  13. Karen, é um prazer revê-la por aqui. Obrigado pelo carinho e pela visita. Apareça mais vezes.

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  14. Receio que na alma do poeta
    o amor não encontre brecha
    de lá ele não escorre
    no máximo, inunda...

    Gosto dos girassóis! E de Van Gogh!

    ResponderExcluir
  15. Compartilhamos o mesmo gosto por esse gênio da pintura, Aline. Muito dos rascunhos aqui são iluminados pelos quadros dele. Fico contente em conhecer alguém com bom gosto. Mais uma vez agradeço o carinho.

    Abraços.

    ResponderExcluir