segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Distante

[A carta de amor (1670) - Vermeer]


Distante



Esta distância das mãos e das bocas
Provoca-nos

Manda-me para o limbo
Distancia dos desejos
E causa-me gastrite crônica

Esta distância das mãos e das bocas

Faz-me um bêbado
Sem rumo ou origem
Faz-me um fumante
Precário e doente

Esta distância
Quanto mal nos causa?

Resfriados, náuseas,
Aumento da pressão,
E loucuras momentâneas.

Oh!Realmente somos loucos
Tão loucos que continuamos com esta distância prejudicial.

8 comentários:

  1. A distância que resulta em sintoma no corpo.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pelo comentário conciso e certeiro, Vanessa.
    Afinal quem nunca sofreu com tais distâncias?

    Abraços.

    ResponderExcluir
  3. Uau! Perfeito retrato do mal que a distância nos causa.
    BeijO*

    ResponderExcluir
  4. Demorei um pouco para poder retribuir a visita. Ótimos poesias, me lembra um Hamlet moderno.

    beijos

    ResponderExcluir
  5. Realmente, Amélie. Ficar longe de quem amamos é uma verdadeira chateação. Obrigado pela visita.

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  6. Oh! Quanta honra ser comparado com Hamlet! Acho que apenas rabisco, brincando de escrever. Obrigado pela visita, Kívia.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  7. O Tempo é curto e a distancia é longa,
    deveria ser ao contrario... !

    Um abraço , Meu velho !

    ResponderExcluir
  8. Obrigado pela visita, Moisés. Realmente deveria ser ao contrário.

    Grande abraço.

    ResponderExcluir