domingo, 2 de maio de 2010

Poema - Fogo e Fúria

Francisco de Goya (1746–1828)
Saturno devorando um filho (1819-1823)
Óleo sobre reboco transladado a tela, 146 x 83 cm
Museu do Prado, Madri

Giram as imensas rodas da fortuna
Em fogo e fúria
As noites escuras
Caem com sangue e ternura

Seria puro ser o galopar da morte
E não temer o desconhecido
Entregar-me como as folhas caídas
Ao mar e as tormentas
E esperar no cais as ondas brutas

Porque foge os passos e os caminhos
Em ladrilhos escondidos pela vegetação
Sempre a perder em sonhos
Dentro de nuvens incertas e de chuvas infinitas
Porque cai o relógio e o guarda-chuva
Das frágeis mãos que o tempo torna

E jamais domamos a carruagem da vida
Que gira e gira com as imensas rodas da fortuna
Em fogo e fúria

Alex Zigar

4 comentários:

  1. carissimo,

    é com imenso prazer que te sigo, parabéns pelo conceito e beleza do espaço!

    ResponderExcluir
  2. Cristiano, obrigado pelo comentário! O prazer é meu em receber sua visita aqui neste espaço dissonante. Fico contente que tenha gostado da estética do blog.

    Mais uma vez obrigado!

    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Poema esplêndido! Você não fica limitado a um momento, flutua no espaço e no tempo, busca termos e informações que se harmonizam. Não me canso de falar que você tem um dom!! A propósito, o poema Elegia é lindo, consegui sentir as emoções descritas, me fez viajar. Por enquanto é o meu preferido!
    Abraços

    ResponderExcluir
  4. Ana, mais uma vez você me presenteou. Fico muito feliz em tê-la aqui no blog. E, sem dúvida, você é quem é esplêndida, pois é muito gratificante receber um carinho tão intenso, sincero e gratuito! São incentivos iguais ao teu que me faz acreditar na possibilidade da realização dos meus sonhos e continuar cada vez mais me dedicando a minha grande paixão: a escrita.

    Mais uma vez obrigado pelos elogios e pela visita!

    Abraços!

    ResponderExcluir