quinta-feira, 6 de maio de 2010

Poema - A Porta

[Imagem por Aaron Jack]


A porta está à espera como uma língua retorcida
Como serpentes feridas e esmigalhadas
Pelas forças dos cascos das éguas arredias
A porta entreaberta de som e luz
Convida-nos a todo o momento para abri-la
Não adianta adiar a hora
Ou roubar os ponteiros do relógio da catedral

A água escorre lá fora lenta
Cavalos cavalgam no mar e ameaçam invadir as cidades
Os bares e esquinas cheios de poentes não morrem
E os bairros e barris explodem de uma multidão insana
Com os dedos comidos e estômagos vazios
E a porta está à espera

Não antecipe a tua morte como já dizia o poeta
Haverá o momento de enfrentá-la
Abrirá aos poucos com golpes de navalha
Colhe tua mão o que pode se é que pode

Em certas horas eu oro em vão
Sou um marujo estranho entre meus pares
Não compreendo a ti e nem a mim ou Deus
A porta apenas espera
Mas o que há além da porta
Da janela eu olho lá fora
As plantações adormecem na terra vermelha
E os homens cavam incansavelmente a terra quieta e extraem mel
Eu me pergunto por que não fujo no dorso de Pégaso
Adiantaria eu fugir nos braços e nas pernas de uma prostituta
E as casas exalam o sexo reprimido e fenecem e fedem
Adiantaria fugir entre os alucinógenos do xamã

Sentei a mesa para tomar o inútil café
O céu estava encurvado como num quadro de van Gogh
Todos ainda dormiam
Alguma esperança vazia e nula me trouxe aqui
Poderia ser Jó e caminhar dez léguas e nada mudaria isto
Um pedaço de lembrança dentro de mim dança

O que há depois da porta
Fulanos
Carros
Sapatos
Eu vou atravessar a rua e parar diante de um semáforo
Jornais lêem velhas notícias
É dezembro e inicia a estação das chuvas
É triste as mãos desocupadas não criaram nada
Há pão sobre a mesa e também um pouco de manteiga
Na estante adormece um livro que nunca vou ler
O silêncio acorda dentro de mim
É preciso esmurrar a porta

Nesta manhã eu estou sentado tomando o inútil café
Sem relógio e sem casaco
Sobretudo eu noto a porta
E a vejo em todos os lados


Alex Zigar

5 comentários:

  1. Muito bom Alex! Uma porta fechada é sempre um enígma,não é?

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Dulce pela visita e pelo comentário. Seja bem-vinda as letras destoantes! Realmente a incerteza do futuro é motivo de muito temor. Quantas notícias de catástrofes nós não ouvimos, vemos ou lemos? Seja sobre o fim dos tempos ou a incerteza política de um novo governo ou mesmo os anos duros da velhice. O fato é que nunca saberemos o que o amanhã trará, se é que trará.

    Mais uma vez obrigado pelo carinho.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  3. Um texto por demias surreal e creio que até onírico se interpretei bem.

    Lembrou-me um pouco Machado de Assis em Memória Póstumas quando o narrador-personagem contou de maneira tão feérica um devaneio que teve enquanto enfermo.
    Belo texto, amigo.
    Pior é que temos nós que, todos os santos dias, dar de cara com a porta que sempre está lá firma e sólida e pode abrir-se a qualquer momento.

    Ótima postagem!
    E parabéns pelo Blog e pelos dotes poéticos!
    Até mais!

    ResponderExcluir
  4. Perfeitamente, João. Este foi um dos textos mais difíceis e carregados de metáforas de minha autoria. Surgiu-me como num sonho, quando certa vez, numa manhã, olhei para uma entrada e os raios de sol refletiam imensamente aquele ponto, impendindo assim que se avistasse além da porta. Comecei a questionar o que havia lá, atrás daquela entrada? É um poema que trata do medo que temos da vida e do nosso futuro.

    Agradeço os elogios mais uma vez... Acho que não mereço tantos.

    Abraços

    ResponderExcluir
  5. Parabéns pelo belo poema! Reproduzi parte dele no meu fotolog, com os devidos créditos. Sei que deveria ter perguntado antes, mas por favor, se for um incômodo eu o retirarei.

    http://www.fotolog.com.br/mizunosama

    ResponderExcluir