terça-feira, 11 de maio de 2010

Poema - Celebrações do Prazer

[Imagens Balinto]


Êxtase e beleza


“Grave-me
como selo em seu coração,
como selo em seu braço;
pois o amor é forte, é como a morte!
Cruel como o abismo é a paixão.
Suas chamas são chamas de fogo,
uma faísca de Javé!”

Cânticos dos Cânticos ( 8: 6)


Tuas mãos possuem o aroma da terra
Teus lábios o gosto da chuva
Teus cabelos são longos ramos
Flores dos ipês
Teus olhos raios de sol sobre
Minha alma
Teu corpo são folhas e tronco
Que cresce sobre o meu
Teus seios são mananciais de prazer
Tua pele polpa carnosa
E teu ventre néctar das rosas

Por isso às vezes me perco
Entre silêncio e contemplação
Entre êxtase e beleza
Dentro de mim
Dentro de ti

E quando nos envolvemos
Minha amada
No calor da noite
Brota
Sobre a relva orvalhada
Com o suor dos nossos corpos
Em forma de flor resguardada
O amor que tanto sonhamos


Chamas

“Filhas de Jerusalém,
Eu conjuro vocês:
Não despertem, não acordem o amor,
Até que ele o queira!”

Cânticos dos Cânticos ( 8: 4)


Quem acendeu esta chama
Quais mãos incendiaram
Nossos corpos despidos
Entre a areia e o mar
Entre a noite e o dia
Queimamo-nos de imediato
Consumimo-nos num crepúsculo
Eterno e silencioso

Igual a labaredas
De cobiças e paixões
De sangue e alma
Meu desejo arde
Abrasa conflagra
Cada vez mais
Na fogueira
Do teu coração

E entre brasas e cinzas
Madeiras e piras
Surge sempre
Esta vontade de amar
De entregar
De estar em teus braços
Eternamente

Confluência

“Sua boca é um vinho delicioso
que se derrama na minha
molhando-me lábios e dentes”.

Cânticos dos Cânticos ( 7: 10)


Vou a tua procura
Como a primeira flecha
Que atingiu teu coração
Quando nos encontramos

Corro para teu colo
Como o rio
Corre para
Desaguar no mar

Busco tua pele
Como a terra
Deseja a semeadura

E tu também me desejas
Transparente claro nu
Junto ao leito da lua
Sobre uma cama verde

Tu sempre me amas
Caças minhas mãos
Caças meus lábios
Caças meu corpo

E quando finalmente nos encontramos
Oh
Perco-me no teu orgasmo

Provocações

“Beije-me com os beijos de sua boca!
Seus amores são melhores do que o vinho,
o odor de seus perfumes é suave,
seu nome é como óleo escorrendo,
e as donzelas se enamoram de você...”

Cânticos dos Cânticos ( 1: 2-3)


Tu me provocas
Com tuas mãos leves
Em meu peito
Com tua boca macia
Em meu corpo
Igual ao aroma da terra
Numa manhã silenciosa

Não fujas de mim
Não acanhes
Esta luz
Este calor
Este perfume
Que há em ti

Provocas-me e te amo
Entregas pela tarde caída
Teu corpo
Teu olhar
Teu riso
E te amo

Tu me provocas
De todos os modos
Basta teu olhar
Basta teu sorriso
Basta teu perfume
Bastam teus segredos
De mulher provocante

Suores e luares

“Venha, meu amado,
vamos ao campo,
vamos pernoitar debaixo dos cedros,
madrugar pelas vinhas.
Vamos ver se a vinha floresce,
Se os botões estão se abrindo,
Se as romãzeiras vão florindo:
aí lhe darei o meu amor...”

Cânticos dos Cânticos ( 7: 12-13)


E toco em teu ventre lentamente
Demoradamente vagueio nas brumas da lua
Escorrego por entre tua pele clara
Deslizando em teus lábios quentes e molhados
Sinto todo o meu corpo se perder
Diluindo dentro do teu
Reteso um pouco me afasto
Mas ainda te sinto dentro de mim
Sinto-te carregar meu espírito
Flutuando sobre meus suspiros
E sobre o véu dos teus gemidos

Tua língua resvala suavemente
No calor do meu ser
Candura das sensações nervosas
Encontramo-nos em êxtases
Em esparsos de desejos
Derramando minha alma na tua
Experimento teu perfume selvagem
E tuas fantasias noturnas

Queimando
Derretendo os corpos
Flui o espírito nu
Unindo os seres
Penetrando as línguas
Entre suores e luares
E entre lábios e carícias
Dois se transfiguram em um
Uma só carne de paixões e volúpias


Alex Zigar

6 comentários:

  1. Passando por aqui,me deleitando com suas letras que não são tão distoantes (rsrsrsr)....
    Uma boa semana!
    Franck

    ResponderExcluir
  2. Olá Franck, obrigado pela visita! Fico contente que tenha gostado das letras destoantes e poder sempre contar com sua presença por aqui!

    Abraços!

    ResponderExcluir
  3. Como é doce o prazer de perceber que, nem para todos, os atos que culminam no prazer se tornaram supérfluos...
    Lindas palavras.

    ResponderExcluir
  4. Obrigado por participar, Marcelly.
    Os desejos da carne devem ser leves e prazerosos. Afinal de conta, a vida é um grande gozo!

    Abraços!

    ResponderExcluir
  5. Meus aplausos, caro amigo!

    Parabenizo-te pela habilidade que tens com as palavras e pela rica descrição de tão gostosos momentos de lascívia e que revelam a mais pura natureza humana. Pois é isso que somos e não há coisa mais normal.

    Confesso-te que viajei lendo estes teus escritos e quase me imaginei na situação, tamanha foi a riqueza de detalhes que deste sem que para isso fosse necessário ser vulgar.

    Belíssimo poemas.
    E parabéns pela fluidez dos versos. Vós sois um exímio poeta que surpreendeu este humilde enamorado da poesia e do lirismo.

    Até mais ver!

    ResponderExcluir
  6. João, obrigado pelas palavras cordiais e seja bem-vindo as “Letras Destoantes”! Sua visita será sempre um prazer e seu comentário bem acolhido.

    Sinceramente não esperava um recado como este. O que, sem dúvida, deixa-me contente e estimula-me a querer escrever mais e melhor.

    Mais uma vez obrigado!

    Abraços!

    ResponderExcluir